“CIDADE VELHA DEU UMA LIÇÃO”

Fugiu ao habitual: um autarca do MpD caprichou em receber o Presidente da República e associar o berço da nacionalidade ao símbolo Amílcar Cabral, que é de todos “acima das facções e dos particularismos”. O Dia dos Heróis Nacionais mostrou uma Câmara, a da Ribeira Grande de Santiago, com uma estratégia própria para um objectivo nacional: congraçar tudo e todos na conquista do estatuto de Património da Humanidade. Esta estratégia, ficou evidente, perturba a estrela negra.

Cidade Velha, 21 Janeiro – Iva Cabral, muito comovida, deixou claro o que lhe ia na alma: “A Cidade Velha, uma vez mais, está a dar um lição”. Referia-se a responsável da Fundação Amílcar Cabral ao modo como a antiga capital de Cabo Verde decidiu baixar bandeiras partidárias para honras os “heróis nacionais”, de que somos “herdeiros e continuadores” em novos combates pelo desenvolvimento e pelo progresso, disse o presidente da Câmara da Ribeira Grande de Santiago, Manuel Monteiro de Pina, na abertura da sessão, no Convento de S. Francisco, que ontem assinalou a data, no âmbito da Festa do Santo Nome de Jesus que decorre na Cidade Velha. Manuel de Pina evocou Amílcar Cabral e teve palavras elogiosas para Pedro Pires, também ele um combatente nas matas da Guiné-Bissau.

Decididamente, o autarca quis apagar palavras duras que proferiu em anteriores campanhas eleitorais: “os tempos são outros”, disse mais tarde Pina a Liberal. “O combate agora é outro. Antes tratava-se da luta pelo poder. Agora está em causa a Cidade Velha, a necessidade de congraçar vontades para alcançarmos um objectivo nacional – o reconhecimento de Património da Humanidade pela UNESCO. E tudo faremos nesse sentido”.

Toda a gente sabe o que pensa Manuel de Pina e o que defende. Não há reajustamento de posições: há pragmatismo. Manuel de Pina fala em unidade nacional em torno da Cidade Velha e afirma-se como um entusiasta defensor desse objectivo. E o seu discurso nunca tinha ido tão longe. A Fundação Amílcar Cabral vincou, ao almoço, que a a Ribeira Grande de Santiago fora a primeira autarquia a chamá-la para que a celebração do Dia dos Heróis Nacionais ali se celebrasse. “O berço da nacionalidade, conjuga-se com a memória de Cabral, dois símbolos”, referiu o autarca que leu uma passagem do poema de Cabral “Mamãe Velha”, com claras referências à Cidade Velha.

Apesar da atitude do executivo de Pina, o PAICV distanciou-se da celebração. Dos deputados da estrela negra só um apareceu, embora todos tivessem sido formalmente convidados. E desapareceu mal a sessão terminou, não ficando para o almoço. Mostrando-se desajustado com a estratégia da autarquia, o PAICV local perde terreno.

O Presidente da República é que não navega pelos mesmos engulhos do partido. Fez questão em estar presente: apadrinhara, desde a primeira hora, a iniciativa da autarquia e, apesar de um programa sobrecarregado, compareceu no Convento de S. Francisco para lembrar aspectos que considerou fundamentais no pensamento e vida de Amílcar Cabral.

A sessão da manhã foi preenchida com a apresentação do livro lançado por Iva Cabral e Cláudio Furtado: “Os estados-nações e o desafio de integração regional da África do Oeste – O caso de Cabo Verde”. Foi uma forma da Fundação Amílcar Cabral se associar à jornada na Cidade Velha.

PEDRO PIRES E MANUEL DE PINA LADO A LADO NUMA INAUGURAÇÃO

Depois do almoço, Pedro Pires e Manuel de Pina estiveram lado a lado na inauguração do Centro Multi-Usos, em S. Martinho Grande. Integra-se este Centro no projecto de reabilitação urbana de S. Martinho, cuja primeira fase se concluiu. Financiado pela Santiago Golf Resort, a reabilitação de S. Martinho Grande beneficia 100 famílias, 700 habitantes. Segundo nota daquela empresa, S. Martinho, “no futuro, pela sua proximidade e características urbanas, (constitui) um dos mais importantes pólos de apoio logístico a todo o empreendimento, não só fornecendo grande parte da mão de obra que irá ter a seu cargo a manutenção e o desenvolvimento de todo este projecto, mas também constituindo-se como pólo de atracção turística no que se refere a cultura e costumes locais”.

Nesta primeira fase atenderam-se às carências em termos de satisfazer as necessidades imediatas de saneamento e salubridade da aldeia, com três abrigos para o lixo doméstico – engloba três abrigos de lixo distribuídos pela aldeia e um edificio multiusos, em alvenaria e betão armado, com zona com lavadouros, sanitários, balneários públicos e salão multifunções, e também a recuperação da fachada da escola e doação de material escolar. Vai agora ser iniciada a segunda fase do projecto, que abaraca aspectos como o saneamento (drenagem de esgotos) e electrificação.

A festa prosseguiu por todo a tarde e noite – já com a presença do presidente da Câmara portuguesa de Lagos, Júlio Barroso,houve concurso de batucadeiras, ganho pelo grupo da Cidade Velha/Fortaleza, seguido por Alto Couveia e Porto Mosquito. E foi eleita a Miss Ribeira Grande de Santiago.

Fonte: "LIBERAL" http://liberal.sapo.cv.
Publicado originalmente em 21.01.09. Reproduzido com a devida vénia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s