LISBOA HOMENAGEOU CIDADE VELHA E ARMÉNIO VIEIRA

27 Abril 2009 – Foi uma festa a um tempo enternecedora e comovente. Com o Cinema S. Jorge, em Lisboa, completamente cheio, a Câmara lisboeta e a UCCLA (União das Cidades Capitais da Lusofonia) prestaram homenagem à Cidade Velha, Património da Humaniade, e com essa homenagem honraram também Cabo Verde e o povo das ilhas. Foi o abraço fraterno publicamente expresso, com a UCCLA e Lisboa a dizerem que Cidade Velha e Cabo Verde podem contar hoje, como contaram ontem, com a amizade de Portugal e dos portugueses.
Entre as muitas presenças contavam-se bons amigos da Cidade Velha: o Presidente da Câmara de Coimbra, Carlos Encarnação, que se juntou aos autarcas lisboetas; o embaixador do Brasil junto da CPLP, Lauro Moreira; o antigo embaixador de Portugal em Cabo Verde, Eujénio Anacoreta Correia; José Ribeiro e Castro, ex-eurodeputado e amigo confirmado de Cabo Verde; a direcção da ONG ETNIA; figuras da intelectualidade cabo-verdiana e portuguesa, designadamente Arménio Vieira (Prémio Camões), José Luiz Tavares, José Luis Hopffer Almada, Mito Elias, Nuno Júdice. Etc.


A emoção começou a transbordar quando, a abrir o fabuloso espectáculo, Vera Cruz, em voz off, disse numa luz média com imagens da Cidade Velha a passarem sobre o telão o poema-legenda sobre a “Cidade do mais antigo nome”, de Amílcar Cabral – “Mãe Velha”. O palco foi de seguida ocupado pelas batucadeiras “Vozes d’África”, cabo-verdianas radicadas em Portugal que mantêm vínculos culturais com o “txon di orige”. Abriram a sua intervenção, muito aplaudida, com a evocação da Cidade Velha.
O batuku, frenético, com a txabeta a fazer-se ouvir forte e o torno a prender os olhos, antecedeu outro momento esplendoroso: veio o extraordinário coral “Alma de Coimbra”, formado por antigos estudantes da Lusa Atenas, que percorreram, em música, alguns dos países da lusofonia, apresentando uma versão comovedora de “Sódadi”, a levar lágrimas a muitos olhos.
Arménio Vieira, sob aplausos e a voz enrouquecida, foi chamado ao palco e envolvido pelas negras capas estudantis disse três poemas da sua autoria.
A acabar o espectáculo do S, Jorge, Celina Pereira, acompanhada por Carminha e outros intervenientes do seu show (criado com Carlos Zel) “Entre mornas e fados”, trouxe todo o calor da morabeza, culminando com um “Sódadi” revertido para “Sidadi Velha”.
Só quem assistiu ao notável espectáculo da noite do passado dia 24 pode perceber como as boas horas vividas no Cinema S. Jorge tocaram e aqueceram as almas. A encerrar, com todos os participantes chamados e presentes no palco, houve palavras: de Miguel Anacoreta Correia, secretário-geral da UCCLA, de Manuela Júdice, vereadora da Câmara Municipal de Lisboa (com o pelouro das relações externas) e de Manuel Monteiro de Pina, presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago. Envolto pelas capas estudantis, Manuel de Pina agradeceu a todos quantos, em Portugal, deram apoio à candidatura de Cidade Velha a Património da Humanidade: à UCCLA, às autarquias portuguesas que estiveram com a Cidade Velha e a Ribeira Grande de Santiago nesta caminhada; aos intelectuais portugueses que abraçaram esta causa; aos integrantes da Comissão portuguesa de Apoio à Candidatura da Cidade Velha; à ONG Etnia e a todos os parceiros que vêm colaborando com a Cidade Velha.

DELEGAÇÃO CABO-VERDIANA RECEBIDA NA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA
Na tarde desse dia 24, a delegação cabo-verdiana, integrando o Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, Manuel de Pina, e o escritor Arménio Vieira, Prémio Camões, foram recebidos no salão nobre dos Paços do Concelho de Lisboa, pelo Presidente da Câmara lisboeta, António Costa, que se encontrava acompanhado pela Vereadora Manuela Júdice. Acompanharam a delegação cabo-verdiana o secretário-geral da UCCLA, Miguel Anacoreta Correia, e o director cultural da UCCLA, Rui Lourido.
Sendo um acto protocolar, serviu também para que a autarquia da capital portuguesa afirmasse a disposição deste Município português, independentemente dos resultados eleitorais autárquicos portugueses, em Outubro próximo, manter e aprofundar as suas relações com a Ribeira Grande de Santiago.

HOMENAGEM A ARMÉNIO VIEIRA NA CASA FERNANDO PESSOA
Depois da cerimónia protocolar nos Paços do Concelho de Lisboa, a Casa Fernando Pessoa, em Campo de Ourique, foi palco de uma grande homenagem a Arménio Vieira. Na sala, cheia, muitos elementos da comunidade cabo-verdiana que quiseram expressar o seu orgulho pela obra deste escritor que trouxe para Cabo Verde um dos maiores prémios literários dos tempos contemporâneos. E Manuel Alegre, o poeta-deputado português, legenda da Cultura daquele País, que falou do respeito que lhe merece a obra de Armênio.
Com a presença de Manuel de Pina, Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, de Miguel Anacoreta Correia, Secretário-geral da UCCLA, de Rui Lourido, Director cultural da UCCLA, de Manuela Júdice, Vereadora da Câmara de Lisboa, foi analisada a obra de Armênio Vieira, seguindo-se a leitura de poemas seus.

Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, 27 Abril 2009

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s